Erupção

Pra mim não existe isso de se apaixonar pela metade; gostar pela metade. Ou gosta completamente ou não gosta nada. Nada de fingir gostar. Isso tem que ser pleno. E quem gosta tem que demonstrar, nem que seja comprando um Danoninho. É isso mesmo! Eu ainda acredito que quem ama dá presentes sempre que pode, só pra deixar o amor mais alegre e se sentindo ainda mais importante.

Gosto de ser extremo, e de viver o amor extremamente, como um militante do sentimento. Que corre em meio à chuva, sem qualquer vontade de se manter seco. É um lançar-se à guerra com nenhum tipo de armamento, porque, na verdade, não existe medo algum de ser atingido. Pode ser um martírio totalmente consciente. Figurativamente, é tudo isso. Na realidade é ainda mais intenso. Nela, o amor é detalhista, é estrategista.

Eu acho incrível como que isso vai se formando: primeiro surge inquieto, depois vai permeando por entre a vida, querendo prender. Aí a gente se joga nele, e vai. Eu acho incrível porque ele mesmo vai se construindo, vai ganhando forma e vai se esquivando das barreiras. Acho, também, que ele é abstratamente líquido. Ganha forma e se transforma. Aí vem alguém dizendo que “ama pela metade”.

Que papo é esse?

O amor faz todo o trabalho de construção. É só dizer que não ama. Sem essa de “estar em cima do muro”. Quem gosta, gosta e pronto. Não existe meio termo no amor. Esse negócio de paixão é só uma desculpa pro “pequeno interesse”.

Pra mim, amor tem que ter fogo; aquela ardência que vem de dentro e faz a mente ficar doida. Tem que ter aquela erupção interna, que te faz queimar. Sim! Pra mim, ele é tudo isso, sim. Das pequenas atitudes até as mais extremas. O amor é mão no rosto como carícia, fazendo estremecer por dentro; é tocar, e já incendiar; é beijinho com sorriso precedido por gemidos de prazer; é ser, de vez em quando, Otis e Maeve, mas também Adam e Eric; é endoidar, e sorrir da doidice; é tanta coisa, que a gente até esquece o que mais pode ser.

Enfim, ele pode ser tudo isso. Só não pode ser metade. Isso não dá prazer; não rola. Vai ser um namoro arranjado. Sei lá! Forçado. Não vai ter mãos dadas, beijos com aqueles risinhos lindos, muito menos ardência. Vai ser só a metade em tudo. E , pra mim, o amor tem que ter prazer. Se não tiver, com esse amor eu nem me arrisco.

gray scale photo of active volcano
Foto por Archie Binamira em Pexels.com
Categorias amor, Conto, ReflexõesTags , , , , , ,

2 comentários em “Erupção

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close