Ironias do Amor

Outra vez vi-me: o espelho escuro, quase sem reflexo, bordas negras e sem vida, mas com algo diferente no centro. Reflete o mesmo pavor que suas margens, porém havia forma, transparecia sentimento. Medo. Culpa. Amor… Não? Talvez um restinho, pouco, pouquíssimo amor. Na verdade, quase nada. Era visível a falta, estava estampado em seu rosto. Então, fixando meus olhos nos daquela indigente figura, pude lembrar de como que a vida – não, a vida não. A mente – prega peças em nós. Daquelas bem Lisbela, sabe?! Uma comédia romântica.

Tu que vais me atender? – disse, olhando-me com um olhar tímido e curioso. Nunca a tinha visto por ali. Pele morena como café, não de melanina de nascença, mas adquirida com o tempo. Não era biológica, era empírica. Talvez de onde vinha ela trabalhava muito, como o típico esteriótipo de moça do interior, que vive unicamente para se tornar uma perfeita dona de casa. Foi tudo o que pude imaginar naquele momento. Então levantei-me, e a observei mais: cabelos destratados, porém lindos. Eram grandes e ondulados, caíam por seus ombros como as ondas se jogam sobre a macia areia da praia; carregava em seu braço esquerdo um balde com a cor já desgastada.

Sim, eu mesmo! – respondi após alguns segundos de pé. Ela permaneceu com a mesma expressão, e só quando nós nos olhávamos à mesma altura foi que percebi que lá fora chovia um pouco, e logo após esta percepção veio um breve trovão abafado, não sei se pelo barulho das enormes gotas se chocando contra o teto ou por eu estar meio perdido em pensamentos. Então mais alguém entrou, cortando toda a linha de raciocínio que eu fazia naquele momento. – Obrigado! – disse. Ela se foi, não para longe, para a lateral. eu já imaginava, posto que ela carregava um balde. Era um poço, onde muitos vinham se beneficiar com a água tão boa que nem a chuva os impedia.

Não preciso nem dizer que fui fisgado pela curiosidade daquele olhar, é evidente que foi um cliente diferente, que chamou-me atenção. Na verdade, eu não conseguia respirar direito. Foi uma sensação bem estranha. Eu só a vi uma vez, nem sabia que estava morando com sua tia em minha rua há uns três dias. Passado este evento, era difícil vê-la. Comprar, ela não vinha mais. Mas de vez em quando ia ao poço, e sempre que eu estava por ali, ficava observando de longe. Seu tom de cabocla me dissipou a tranquilidade, as forças e as travas amorosas. Amor? Será?!

Era. No entanto, estragarei a leitura. O miserável do destino só estava brincando comigo. Fora embora. Fiquei sem nome, sem contato, e debilitado. Nuca mais a vi. Desgraçado. Para quê fazer tamanha maldade? E eu nem esperava sentir tudo aquilo em dois segundos vendo-a pela primeira vez. Logo eu que nem acreditava nessa possibilidade. Acreditava no amor construído, não no espontâneo. Quem diria.

Outras vezes, me apaixonei. Inúmeros corações, inúmeras batidas agitadas. Deixei, fui deixado. Amei, fui amado. Magoei, e infelizmente fui magoado. Houve uma que me amou tão rápido, que quando acordei no outro dia já havia me trocado. Tudo bem, não foi nada sério. Foi só um beijo, eu é que sempre construía sete vidas e mais dez eternidades em um único momento. Eu ficava perdido nos pensamentos, e acabava perdendo a noção do real. Talvez tenha sido isso que tenha sempre me prejudicado. Meus tão minuciosos pensamentos e sensações.

Hoje estou abatido, debilitado. Sozinho outra vez. Ela não era igual as outras era especial. Era única, a única que tinha me chamado atenção em tão pouco tempo. Mas, me deixou. Foi-se embora com toda a nossa história, tudo o que havia começado há tantos anos, e recomeçado há algum tempo depois. São as peças pregadas em nós. Estávamos tão felizes, eu até lembro como a reencontrei. Estava trabalhando, e de repente:

Tu que vais me atender?

grayscale photo of house interior
Foto por Pixabay em Pexels.com
Categorias estoriasTags , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close